terça-feira, 30 de novembro de 2010

A DIFERENÇA

Já lá estavam quando ocorreu o terramoto, em 12 de Janeiro passado: eram cerca de 400, os médicos cubanos que, desde 1998, gratuitamente, levavam por diante, no Haiti, um Plano Integral de Saúde que envolveu, ao longo dos anos, cerca de 6 000 cooperantes cubanos e cerca de 400 jovens médicos haitianos formados gratuitamente em Cuba.

No próprio dia 12, dia do terramoto, juntaram-se-lhes, idos de Cuba, 60 especialistas em catástrofes e, todos, gratuitamente, protagonizaram a mais importante assistência médica e sanitária às vítimas do terramoto - que causara 250 mil mortos e mais de 1, 5 milhões de desalojados.

Os média dos EUA - e, por obediência canina, os média de todo o mundo capitalista - que se fartaram de anunciar, enaltecer, louvar e propagandear apoios e mais apoios, solidariedade e mais solidariedade, particularmente os dólares prometidos por Obama/Clinton, silenciaram cirurgicamente o mais importante de todos os apoios, a única verdadeira solidariedade: a presença e a acção, gratuita, dos médicos e enfermeiros cubanos no Haiti.

Mais do que isso: a cadeia norte-americana Fox News chegou a afirmar, mesmo, que «Cuba é dos poucos países do Caribe que não prestam qualquer apoio ao Haiti»...

Quanto aos anunciados apoios em dinheiro, além de ficarem muito aquém das verbas propagandeadas, os que chegaram tiveram destinos vários, parte deles nada tendo a ver com o apoio às vítimas do terramoto... A solidariedade capitalista tem destas coisas...

Certo, certo - e constante, e permanente - foi o sempre silenciado apoio gratuito, a sempre silenciada solidariedade de facto dos 400 médicos e enfermeiros cubanos.

Agora, desde Outubro, o martirizado povo haitiano sofre uma epidemia de cólera - doença que não era detectada no país há mais de um século - que já matou mais de 1600 pessoas e provocou a hospitalização de 30 mil das 200 mil afectadas, e que ameaça intensificar-se.

E mais uma vez... os apoios, a solidariedade...

Dos anunciados 164 milhões de dólares... chegaram uns 19 milhões... e diz-se que «os apoios «chegam a conta-gotas à espera do resultado das eleições» que hoje se realizam no Haiti...

Raio de solidariedade esta que só se concretiza se as vítimas votarem «bem»...

Certo, certo - e constante, e permanente - continua a ser o sempre silenciado e gratuito, a sempre silenciada solidariedade de facto dos médicos e enfermeiros cubanos - os 400 que já lá estavam, mais os 500 que para lá foram enviados logo que eclodiu a epidemia de cólera, mais os 300 que, por decisão do Governo de Cuba, se lhes juntarão, hoje - sejam quais forem os resultados eleitorais.

Tudo isto a confirmar a diferença abissal que existe entre dois conceitos de solidariedade: o que vigora no mundo capitalista e o que é praticado pelos comunistas.

Que é, afinal, a diferença entre os que tudo fazem para manter esta sociedade velha, baseada na exploração do homem pelo homem, e os que lutam por construir uma sociedade nova, liberta de todas as formas de opressão e de exploração.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

IRLANDA: SACRIFÍCIO INÚTIL

Os termos do "salvamento" que o FMI/UE/BCE impôs à Irlanda são muito piores do que tudo o que já foi visto até agora.

Até o dinheiro do Fundo de Reserva Nacional de Pensões (NPRF) foi devorado na voragem.

Os abutres não perdoaram nem a pensão dos velhinhos!

Este salvamento não é do povo irlandês e sim dos banqueiros privados irlandeses.
A manobra decorreu em vários passos:

1) Num autêntico acto de traição nacional o governo irlandês resolveu garantir a dívida dos banqueiros privados irlandeses (os tais que estavam em situação muito saudável segundo o teste de stress feito em Julho pelo BCE);

2) Em consequência, de imediato o défice orçamental irlandês sofreu um aumento brutal, saltando de 11,9% do PIB para 32% do PIB;

3) Diante de tal défice a UE/FMI obrigou o governo irlandês a impor sacrifícios brutais ao seu povo (despedimentos em massa, cortes na educação, saúde, salários e pensões, etc) em troca do dito "salvamento".

4) Ainda assim, cedo ou tarde, a Irlanda (tal como a Grécia e outros países europeus) entrará em incumprimento (default).

Destes tristes episódios podem-se tirar algumas lições:
 
1) Os sacrifícios que o capital financeiro pede/exige a governos servis como o irlandês, grego, português e outros são inúteis pois não levarão ao aumento das respectivas produções nacionais nem resolverão os problemas económicos subjacentes;
 
2) Em situações de insolvência mais vale declarar moratória antes de uma ruína total do que persistir inutilmente em pagar dívidas impagáveis;
 
3) Sacrificar povos no altar do capital financeiro é uma opção e não uma inevitabilidade;
 
4) Filosoficamente, a resolução de um problema de dívida incobrável pode-se dar tanto em favor dos credores como dos devedores;
 
5) Historicamente, verifica-se que as classes dominantes sempre optaram pela resolução em favor dos credores e as oprimidas sempre pretenderam o inverso.
 
6) A capitulação frente às exigências do capital financeiro leva à pauperização dos povos – cabe a estes tomarem o destino nas suas mãos se quiserem salvar-se.
 
Publicado no Resistir.info

domingo, 28 de novembro de 2010

O IMPENSÁVEL JÁ É PENSÁVEL

 Comentário de Eurointelligence , um sítio web bem informado:

"Esta é provavelmente uma das melhores peças de comentário analítico que já lemos sobre a situação da eurozona.

Michael Petis examina brevemente a teoria económica da crise e destaca um certo número de pontos importantes.

Afirma ele que o incumprimento (default) grego é inevitável e que Espanha, Portugal, Irlanda, Itália, Bélgica e grandes partes da Europa do Leste também experimentarão agonia financeira e em alguns casos incumprimento.

É difícil imaginar um cenário de retorno ao crescimento sem esquecimento da dívida.

Ele prevê ainda que o radicalismo político aumentará em todos estes países.

Poderemos nós aguentar com coragem e esperar até acabar?

O problema é que o sistema bancário europeu não sobreviveria mesmo no melhor caso de um cenário de reestruturação, o que mantém a Europa totalmente imóvel no enfrentamento desta crise.

Enquanto isso, o mercado europeu de títulos lixo decolará – os bancos estão debilitados.

À medida que este processo continua, países periféricos da eurozona optarão entre abandonar a soberania em favor da Alemanha, enfrentar níveis extremamente altos de desemprego, ou abandonar o euro.

A última opção agora é considerada imaginável e tornar-se-á a única alternativa num espaço de tempo de poucos anos.

Ele recorda um processo de transformação mental semelhante na Argentina antes do seu incumprimento em 2001.

Eis a sua conclusão, com a qual nós, tristemente, concordamos:

'Uma vez finalmente assentado o pó a Europa será ou um país unificado com soberania fiscal firmemente estabelecida em Berlim ou Bruxelas, ou estará fragmentada com pouco possibilidade de reunir-se'. "

 
Publicado no Resistir.info

sábado, 27 de novembro de 2010

Esqueletos


Na conferência subordinada ao tema «Ainda vale a pena investir em Portugal?», realizada esta semana na Universidade Católica, Belmiro de Azevedo (BA) falou da situação do País e das «consequências sociais imprevisíveis» que daí podem advir, já que os portugueses (e as empresas, na sua opinião) estão a ser compelidos a apertar o cinto tanta vez que se corre o risco de ficar apenas o «esqueleto».

Em consequência, o patrão da Sonae questiona-se sobre os seus investimentos.

Respondendo à questão que deu mote à conferência disse: «Vale a pena investir. Em Portugal, não sei».

As dúvidas de BA – defensor da abertura ilimitada das grandes superfícies para a «criação de emprego» – têm razão de ser.

Num contributo inestimável para a criação de novos postos de trabalho, e aproveitando a quadra natalícia, a Sonae contratou novos trabalhadores para fazer embrulhos.

Não o fez directamente, antes recorreu aos préstimos de uma empresa de trabalho temporário que dá pelo nome de UR – you are one, o que sempre ajuda ao empreendedorismo, mais a mais com designação anglo-saxónica.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) os felizardos entraram ao serviço no passado dia 6 de Novembro e têm contrato até 24 de Dezembro de 2010.

O pagamento, esse, será feito mediante recibo verde ou acto único, mas só a partir de 15 de Janeiro de 2011.

Quanto ao salário, não tem mistérios: cada contratado recebe 12€ por turno, e cada turno tem cinco horas.

Feitas as contas, apura-se que o salário/hora é de 2,4€, ou seja inferior aos 2,7€ que resultam do salário mínimo nacional.

Acresce que os trabalhadores assim distinguidos com a oferta de emprego Sonae têm apenas um dia de descanso por semana, não recebem o subsídio de refeição em vigor na empresa, e não recebem trabalho nocturno apesar de um dos «turnos» terminar às 24 horas.

Chegado a este ponto, BA – há dias homenageado com o troféu Excelência na Liderança, em cerimónia com a presença do ministro da Economia Vieira de Silva – constata o óbvio: está na hora de largar o «esqueleto» nacional e procurar novos horizontes.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Hoje há Avante!

 DESTAQUES:
Uma vitória sobre a resignação e o conformismo
A Greve Geral, na qual participaram mais de três milhões de trabalhadores, «ficará inscrita na história da luta dos trabalhadores e do povo português», considerou, anteontem à tarde, o Secretário-geral do PCP. Sem convocar uma conferência de imprensa, em respeito pela greve dos jornalistas, Jerónimo de Sousa avaliou a dimensão e impacto da jornada de luta numa declaração escrita que fez chegar às redacções e que aqui publicamos.
Marcha pela PAZ
A Avenida da Liberdade voltou a fazer jus ao seu nome na tarde de sábado, 20, ao servir de palco aos muitos milhares de pessoas que com confiança, determinação e entusiasmo rumaram à capital para clamar bem alto Paz Sim, NATO não!
Mais sacrifícios
O anunciado voto favorável do PS e a abstenção do PSD selam a passagem de um documento que, impõe incontáveis sacrifícios ao povo, abdicando de uma política de desenvolvimento.
Avante!
Com este número, é posto à venda o novo livro da Biblioteca Avante!, intitulado A Última Mulher e o Próximo Combate, da autoria do escritor cubano Manuel Cofiño. O preço do livro é de 9.50 euros.
Luta no superior
Milhares de estudantes, manifestaram-se no dia 17 de Novembro, em Lisboa, e exigiram a alteração do rumo da política dos sucessivos governos para o ensino superior.
Uma vida dedicada à luta pela liberdade e pelo socialismo
No funeral de Joaquim Gomes, realizado no domingo, no qual compareceram centenas de camaradas e amigos, Jerónimo de Sousa destacou o exemplo do militante «modesto e discreto» que dedicou toda a sua vida à luta pela liberdade e contra o fascismo, pelo socialismo e pelo comunismo.
Haitianos denunciam falta de assistência e exigem retirada das tropas da ONU
Os haitianos exigem a saída imediata da missão das Nações Unidas do país, acusando os capacetes azuis de terem trazido a cólera para o território e de nada fazerem para conter a epidemia.
Protesto anti-imperialista
Dezenas de milhares de pessoas participaram nas manifestações de dia 17, em Atenas e Tessalónica, para assinalar, com palavras de ordem de hoje, a revolta dos estudantes contra a junta militar fascista de Novembro de 1973.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

25 de Novembro – Uma “comemoração” diferente...

(Brincadeira minha com o Photoshop, sobre uma fotografia de um painel do Pav. Central da Festa do Avante! 2007, tirada por Ana Pessega... e que encontrei na Net)

Aqueles que em 25 de Novembro de 75, há 35 anos, traíram a Revolução de Abril com promessas de uma democracia burguesa “à europeia” e um capitalismo próspero para todos, falharam vergonhosamente os seus propósitos.

Temos uma democracia, sim, mas coxa, a trouxe-mouxe, alimentada por um capitalismo, sim, mas com prosperidade para meia dúzia e desprezo por todo um povo.

A cada passo que os grandes grupos económicos foram dando para retomar o controlo do país, depois de rasparem mal e porcamente o fascismo das suas fachadas, foram colocando nos sucessivos governos “funcionários” a seu mando, cada vez mais pobres culturalmente, mais indigentes humanamente, mais irrelevantes politicamente.

Sócrates é o exemplo acabado dessa “inexistência” cultural, humana e política... só ultrapassado pelo ridículo do verdadeiro “office boy às ordens” que os donos do PSD têm para pôr no seu lugar, caso ganhem as eleições.

Em 2010 entregam às gerações futuras um país deprimido em que se morre mais e em que se nasce menos; um país em que, seguramente para grande desespero de fascistas e “nacionalistas” bafientos, só o saldo positivo do fluxo de imigrantes conseguiu fazer aumentar a população, mesmo que em apenas escassos milhares, entre 2008 e 2009. Um país vendido ao capital sem pátria.

Um país quase tão vendido como vendidos são os empresários, especuladores e “governantes” que o deixaram neste estado.

Hoje, 25 de Novembro, toda essa corja tem menos motivos para festejar.

Ontem, num memorável dia 24 de Novembro de 2010, viram sem margem para dúvidas, que milhões dos trabalhadores que pretendiam assustados e conformados, não o estão!

Que os sindicatos, que pretendiam despovoados, fracos e esvaziados de sentido, não o estão!

Que o partido que há mais tempo e de forma mais consequente tem estado com esses trabalhadores, partido que pretendiam - e tantas vezes “decretaram” - morto e enterrado, não o está!

Pouco importa a procissão de desavergonhados, sejam eles ministros, secretários, analistas, comentadores, politólogos ou os canalhas de serviço, como este, que sejam destacados para nas próximas horas e dias vomitarem baboseiras nos jornais e televisões, falando em “adesões fracas”, em “números pouco significativos”, ou tentando lançar lama sobre os trabalhadores e as suas organizações.

Desta vez não há contagens “profissionais” de multidões que os "salvem".

Os três milhões de trabalhadores que estiveram em greve ao longo do dia, não se deixarão enganar.

Toda a gente viu.

Foi uma extraordinária e verdadeiramente histórica Greve Geral!

Outros caminhos são possíveis! Outro mundo é possível!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

domingo, 21 de novembro de 2010

sábado, 20 de novembro de 2010

Mais de 30000! Grande Manifestação “Paz Sim! NATO Não!”!

A Campanha “Paz Sim! NATO Não!” culminou com uma grande Manifestação, em que de forma tranquila e convicta, desceram a Avenida da Liberdade mais de trinta mil pessoas.

Paz Sim! NATO Não!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

É JÁ AMANHÃ

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Hoje há Avante!

 DESTAQUES:
Toda a força à greve geral
Paulo Raimundo, da Comissão Política do Comité Central do PCP, reafirma que o Partido «está empenhadíssimo no sucesso da greve geral» e adianta, quanto às perspectivas para dia 24, que apenas estará a decidir-se «se esta será uma grande greve geral ou se será a maior greve geral alguma vez feita em Portugal».
Determinação e combatividade na luta contra o imperialismo
A Comissão Política do Comité Central do PCP emitiu um comunicado em que chama o povo português a manifestar-se, com determinação e combatividade, pela paz e contra a NATO. A manifestação decorrerá em Lisboa, na tarde de sábado.
Tomo III das Obras escolhidas
O Teatro Municipal de São Luiz, em Lisboa, recebeu, no dia 10, a sessão pública de lançamento do Tomo III das Obras Escolhidas de Álvaro Cunhal.
Contra a política do Governo
Os estudantes do ensino básico e secundário manifestaram-se, no dia 10 de Novembro, em vários pontos do País para reivindicar um novo Estatuto do Aluno.
Acto abusivo e ilegal
O PCP exige do Governo a anulação do despedimento colectivo dos 336 trabalhadores da Groundforce em Faro, acto que classifica de «verdadeiro banditismo empresarial».
A candidatura dos trabalhadores
Pela sua natureza e objectivos, a candidatura de Francisco Lopes pode muito justamente ser considerada a candidatura dos trabalhadores. Esta característica ficou clara no almoço de sábado, em Almada, com cerca de 400 representantes dos trabalhadores.
O próximo número do nosso jornal, que tratará fundamentalmente da greve geral do dia 24, sairá na sexta-feira, 26. As organizações do Partido irão promover uma venda especial do Avante!, à porta das empresas e em locais públicos, devendo as encomendas ser feitas até ao próximo dia 22.
A Última Mulher e o Próximo Combate
Também com o próximo número, sairá um novo livro da Biblioteca Avante!, intitulado A Última Mulher e o Próximo Combate, da autoria do escritor cubano Manuel Cofiño, que transporta o leitor para os primeiros tempos da construção do socialismo em Cuba. Com este romance, o autor ganhou o prémio Casa de las Américas em 1971. As organizações podem fazer as suas requisições até 19 do corrente. O preço do livro é de 9.50 euros.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Transtornos de que ninguém fala: Comunicação familiar


«Querida mãe: por favor, pede aí à filha da dona Alice que te leia no computador dela esta minha mensagem urgente.

É que a limpeza de mato e a poda das videiras e das roseiras que íamos fazer estes dias ao teu meio hectare tem de ficar para a semana.

Não me posso arriscar a ser interceptado entre a Amadora e Vila Franca com a roçadoura e a tesoura de podar que te comprei.

Acredita que não me estou a baldar ao trabalho, é tudo por causa de uma tal de Cimeira da NATO, depois explico-te melhor.

Beijos e tem atenção às horas dos remédios.

Vítor»


Vítor Dias no o tempo das cerejas*

terça-feira, 16 de novembro de 2010

A Crise do Sistema Capitalista: A raiz dos défices públicos


Das entidades financeiras resgatadas da falência com dinheiro do erário público, apenas 15 por cento devolveu as ajudas recebidas, diz um relatório conjunto elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Segundo a OCDE e a UNCTAD, a devolução dos fundos foi feita por menos de um sexto do capital financeiro abrangido pelos auxílios, situação que se estende às cerca de 30 mil empresas que receberam ou continuam a gozar de apoios dos estados, sublinham ainda as organizações no estudo realizado a propósito da cimeira do G-20.

A confirmar que as colossais dívidas soberanas de alguns países radicam na canalização de fundos para que o grande capital não declarasse bancarrota, o FMI estima que, no total das chamadas economias avançadas, o peso da dívida se tenha elevado 29 por cento face ao registado antes da crise.

Neste contexto, o Fundo Monetário Internacional reviu a previsão de crescimento da economia mundial para este ano e para o próximo, de 4,2 por cento para uma percentagem entre os 3 e os 4 por cento.

Os chamados países emergentes são os que melhor performance terão, diz igualmente o Fundo.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Eleições na Grécia

«Primeira volta das regionais gregas
Comunistas, os únicos a subir

A lista «Bloco Popular», apoiada pelo Partido Comunista Grego (KKE), conquistou quase 72 mil novos votos em relação às eleições legislativas de 2009, subindo 3,3 pontos percentuais.

O resultado alcançado pelos comunistas e seus aliados é tanto mais significativo quanto, nesta primeira volta das eleições regionais e municipais, realizada no domingo, foram a única força a subir tanto em percentagem como em votos (ver quadro).

Com uma taxa de abstenção recorde, na ordem dos 47,5 por cento, o KKE alcançou 10,87 por cento dos votos, isto é mais 3,3 pontos percentuais em comparação com o resultado nacional das legislativas de Outubro do ano passado.

Em relação às eleições locais de 2006, a evolução é ainda mais sensível, já que representa um aumento de mais de 109 mil votos e de 3,6 pontos percentuais.

Inversamente, todos os outros partidos do centro e da direita perderam votos e percentualmente nestas eleições. (...)»

domingo, 14 de novembro de 2010

Greve Geral de 24.11


Vem alguém e diz-NOS:


1. Pois! V. está sempre contra tudo.... Este Governo tem de se aguentar com os "mercados" e é a contra-gosto que está a fazer o que tem de ser feito. É obrigado pelos “de fora”, pelos “mercados”. A crise não é nossa. É-nos imposta.

2. Eu responderia:

3. Está bem! Quer dizer… não está bem. Tudo o que está a acontecer é por termos sido inserido, por quem nós escolhemos para nos governar, num sistema. Obedientemente, de mãos e pés atados…

4. Mas não é isso que importa agora, para o dia 24 de Novembro, para a Greve Geral.

5. Se V. até acha que este Governo é tão vítima como nós que por ele somos (des)governados… faça greve para ajudar esse “seu” governo a fazer frente aos que o estão a atacar.

6. Já reparou? “Eles”, os “de fora”, mandam… e o governo faz, os “de fora” acham pouco, mandam fazer mais… e ele faz, os “de fora” acham pouco, os “mercados” sobem os juros, passam dos 7% (para lixar o Teixeira dos santos…), para os nos emprestarem dinheiro para nós lhes pagarmos a eles o que eles dizem que lhes devemos. Já viu? Se nós dissermos basta!, o governo terá força para dizer basta!.

7. Não que eu acredite que ele o faça, mas V. e eu fizemos o que devíamos ter feito. Fizemos greve, dissemos basta!.

8. Não vai chegar?... Então veja lá onde está o problema. No que vem “de fora”, ou no facto dos “de dentro” estarem com os “de fora”, a fazerem a mesma política contra a qual temos de ser nós – V. e eu – a dizermos basta!.

sábado, 13 de novembro de 2010

BREVE RETRATO DA COLÔMBIA

Eis um breve retrato da Colômbia de Uribe & Santos Associados (USA) patrocinados por Obama:

Em 2010, até agora, foram assassinados 37 sindicalistas - o que quer dizer que 67% dos sindicalistas assassinados no mundo são colombianos.

O número de presos políticos ultrapassa os 7 500.

Nos últimos três anos, o total de desaparecidos em resultado do terrorismo de Estado, ultrapassa os 38 mil.

Nos últimos quinze anos, os paramilitares executaram mais de 30 mil pessoas.

O uso de fornos crematórios tornou-se prática corrente.

A maior vala comum da América Latina foi encontrada na Colômbia: muitos dos 2 mil cadáveres ali depositados são de jovens, aliciados e depois executados pelo exército e apresentados à comunicação social como guerrilheiros das FARC.

Há notícia de mais 4 000 valas comuns.

Nos últimos quinze anos, os paramilitares executaram mais de 30 mil pessoas.

28 milhões de colombianos - 68% da população do país - vivem na pobreza.

Todos os anos morrem, de desnutrição, mais de 20 mil crianças menores de cinco anos.

Sete bases militares dos EUA instaladas na Colômbia asseguram a paz, a ordem, a democracia, a liberdade - e, obviamente, o respeito pelos direitos humanos...

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Tentar perceber ...

Será que é isto ...
... que explica isto?

As imagens encontram-se no facebook do Brados do Alentejo e no sítio da Rádio Elvas.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Hoje há Avante!

 DESTAQUES:

Mais de cem mil com a greve geral
Mais de cem mil trabalhadores da Administração Pública repudiaram, na manifestação nacional, sábado, em Lisboa, «as medidas de retrocesso social» do Governo PS e afirmaram a determinação de fazer da greve geral de 24 de Novembro um momento marcante da luta por outra política.


«A luta continua!»
Centenas de pessoas participaram, quinta-feira, na Casa do Alentejo, em Lisboa, numa sessão comemorativa do 30.º aniversário do livro «Levantado do Chão» de José Saramago, obra que retrata a saga heróica do proletariado agrícola do Alentejo, organizado pelo seu partido de classe, o PCP, rumo à conquista da Reforma Agrária.
Corte nos abonos de família
PCP quer revogar diploma
Perto de um milhão e meio de beneficiários são afectados pelos cortes brutais decretados pelo Governo nesta prestação social.
Eleições na Grécia
Comunistas são os únicos a subir
A lista «Bloco Popular» apoiada pelo KKE conquista 72 mil votos nas eleições regionais em relação às legislativas de 2009.
Marrocos desmantela acampamento sarauí
Violento massacre
As forças armadas marroquinas atacaram o acampamento de protesto sarauí. Frente Polisário apela à intervenção da ONU.
7.ª Assembleia da Organização Regional de Beja do PCP

Apontar caminhos de futuro
Um Partido mais forte e mais ligado aos trabalhadores e às populações do distrito de Beja é fundamental para que se inverta o rumo de desertificação e abandono que tem sido seguido. Esta foi uma das conclusões da 7.ª Assembleia da Organização Regional de Beja do PCP, realizada no domingo, que aprovou um conjunto de propostas para o desenvolvimento da região.
Candidatura do PCP reúne apoios em todas as áreas
Ruptura e mudança
Centenas de pessoas da área da cultura, do poder local, da ciência e do ensino, e do movimento sindical manifestam o seu apoio à candidatura de Francisco Lopes.

Outubro presente nas lutas de hoje
Ao mesmo tempo que se empenha nas múltiplas e urgentes tarefas colocadas pela gravidade da ofensiva em curso contra os direitos e condições de vida dos trabalhadores e do povo, o PCP assinala o 93.º aniversário da revolução de Outubro.

VER ÍNDICE

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A FOSSA QUE TRANSBORDA

Se os EUA fossem a Grécia, Portugal ou Irlanda estariam agora frente a uma intervenção do FMI.

Mas como são uma potência imperial o seu banco central pode, a partir do nada, criar 600 mil milhões de dólares e injectá-los na economia – a chamada "facilidade quantitativa", que ameaça afundar o papel do US dólar como divisa de reserva mundial.

O Fed comporta-se como o vizinho cuja fossa sanitária transborda e escorre os seus efluentes mal cheirosos sobre todos os relvados em torno.
 
Com a economia real a contrair-se, Washington parece ter decidido dar início à liquidação do dólar e assim da sua dívida externa.
 
Publicado no Resistir.Info

terça-feira, 9 de novembro de 2010

PT e accionistas não pagam impostos com a conivência do governo

- o cinismo de Sócrates face a este escândalo e o de Cavaco Silva em relação à crise
O escândalo que constitui o facto de a Portugal Telecom não pagar imposto de mais-valias pelas mais-valias que obteve com a venda da "Vivo" à Telefónica por 5.515,5 milhões €, assim como a distribuição de um dividendo extraordinário de 1.000 milhões € aos accionistas em 2010 para estes não pagarem 160 milhões € de impostos, tudo isto feito com conivência do governo de Sócrates, veio tornar claro os "buracos" existentes nas leis fiscais aprovadas pelos sucessivos governos (PS, PSD, PSD/PP) com o objectivo de beneficiar os grupos económicos.

Contrariamente ao que se pode pensar, o caso da PT não é único.

Todos os anos verificam-se muitos outros que passam despercebidos à opinião pública porque os media não falam deles.

Segundo o Relatório do OE-2011, no próximo ano o governo prevê perder uma receita fiscal no montante de 1.368 milhões € resultantes de benefícios fiscais concedidos às empresas, cuja maior parte não são certamente benefícios fiscais concedidos a PMEs e micro-empresas.

Os resultados da banca referentes aos primeiros nove meses de 2010 confirmam que os grupos económicos em Portugal, e nomeadamente a banca, continuam a gozar de elevados privilégios fiscais.

Para concluir isso, basta comparar os Resultados Antes dos Impostos com os impostos pagos pelos cinco maiores bancos a operar em Portugal (CGD, BCP, Santander-Totta, BES, BPI).

Os Resultados Antes de Impostos (RAI) destes cinco bancos atingiram, nos nove primeiros meses de 2009, 1.620,6 milhões € e, em 2010, 1.423,3 milhões €; e os impostos pagos foram apenas 185,7 milhões € em 2009 e somente 114,3 milhões € em 2010.

Isto significa que a taxa efectiva de imposto foi de 16,1% nos primeiros nove meses de 2009 e de apenas 9,2% em 2010.

Os Resultados Antes de Impostos em 2010 são inferiores aos de 2009 (1.620,6 em 2009 e 1423,3 milhões € em 2010), mas os Resultados depois de Impostos de 2010 já são superiores aos de 2009 (1.150,5 milhões € nos primeiros 9 meses de 2009, e 1.240,7 milhões € em 2010), o que foi conseguido à custa de uma redução significativa dos impostos em 2010.

O BPI, apesar de ter apresentado um RAI de 139,8 milhões € não paga imposto, tendo a haver do Estado ainda 2,2 milhões €.

Apesar do escândalo da PT o governo de Sócrates apresentou na Proposta de Lei do OE2011 uma alteração ao artº 14º do CIRC (pág. 139) que isenta de pagamento de impostos os lucros distribuídos por uma entidade residente em Portugal, pois basta que os grupos económicos detenham nela pelo menos 10% do capital.

Na Proposta de Lei do OE2011 (pág. 152) há também uma alteração ao artº 92 do CIRC que dispõe que "o imposto liquidado das deduções previstas nas alíneas a) e b) do nº2 do mesmo artigo (deduções relativas a dupla tributação e a benefícios fiscais), não pode ser inferior a 90% (actualmente é 75%) do montante que seria apurado se o sujeito passivo não usufruísse de benefícios fiscais e dos regimes previstos no nº 13º do artº 43 (contribuições para Fundos de Pensões) e no artº 75º (dedução de prejuízos fiscais)".

Portanto, à primeira vista este limite à redução do imposto parece ser positivo. No entanto, o nº2 do mesmo artigo da Proposta de Lei do OE2011 reduz o seu efeito pois isenta desse limite os benefícios fiscais: (a) Que revistam de carácter contratual, portanto os concedidos por decisão do Conselho de Ministros a grandes grupos por investimentos elevados realizados; (b) Os benefícios fiscais concedidos às Zonas Francas (Madeira e Porto Santo); (c) Os previstos nos artº 32º e 42º dos Estatuto de Benefícios fiscais, ou seja, a Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS), a Sociedades de Capital de Risco e a Investidores de Capital de Risco (e qual é o grupo económico que não tem uma SGPS através da qual controla todas as empresas do grupo?). Portanto, o efeito positivo é aparente, e os privilégios fiscais mantêm-se.

A completar o que se acabou de dizer interessa ainda referir uma disposição contida na Proposta de Lei que revela a insensibilidade social de Sócrates.

O OE2011 reduz, entre 2010 e 2011, as transferência do OE para a Segurança Social destinadas à luta contra a pobreza em 874 milhões €, o orçamentado para o subsidio de desemprego em 156 milhões €, e o destinado ao abono de família em 217 milhões €, mas mantém o apoio à banca de 20.181,5 milhões € (artº 88º da Proposta).

Corta-se nos apoios sociais mas mantém-se o apoio à banca.

Para esta já há dinheiro.

Um dos factores que contribui mais para o elevado endividamento do Estado e, consequentemente, para as graves dificuldades financeiras que o País enfrenta, são as chamadas Parcerias Público Privadas (PPP), que garantem lucros elevados e certos aos grupos económicos, e sacrifícios para os portugueses.

Cavaco Silva e o PSD, pretendem fazer esquecer que o "pai" das PPP foi Cavaco Silva, já que foi precisamente um governo em que era ministro Cavaco Silva que as introduziu, pela primeira vez, em Portugal.

De acordo com o relatório de 2010 das PPP elaborado pelo governo, no período 1992-1995, em que o 1º ministro era Cavaco Silva, e ministro das Finanças Catroga, foram assinadas pelo governo 12 Parcerias Público-Privadas, sendo a mais conhecida a Concessão Lusoponte, cujo maior accionista é a Mota-Engil, e presidente um ex-ministro de Cavaco (F. Amaral).

Mas agora pretendem fazer crer que nada têm a ver com elas.
 
Eugénio Rosa no Resistir.info onde pode ver o estudo completo.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

UM PRÉMIO PARA GENTE DE BEM

Há prémios que vêm por bem...

É o caso deste «Prémio Internacional de Direitos Humanos Herberto Anaya», atribuído à Frente Nacional de Resistência Popular das Honduras (FNRPH)

Após a vaga fétida de nóbeis e sakharovs a premiar lacaios do imperialismo norte-americano e da sua ambição de domínio do mundo, a atribuição de um prémio a gente de bem constitui , além do mais, um verdadeiro acto de higiene...

Recorde-se que a FNRPH nasceu em 28 de Junho de 2009 - dia em que o golpe fascista, organizado pelos EUA e concretizado por fascistas locais derrubou o governo do Presidente legítimo, Manuel Zelaya, e impôs o governo do fascista Micheletti.

Recorde-se que, de então para cá, a FNRPH tem sido a grande organizadora da heróica resistência do povo hondurenho ao fascismo, que o mesmo é dizer da luta pela defesa da liberdade, de facto; pela defesa da democracia, de facto; pela defesa dos direitos humanos, de facto.

Uma luta que continua todos os dias e que todos os dias é reprimida pelos agentes locais do imperialismo norte-americano, para os quais, em matéria repressiva, o vale-tudo é lei.

«As violações dos direitos humanos, as perseguições e os assassinatos continuam na ordem do dia»:

Os «esquadrões da morte executam opositores e os seus familiares mais próximos de maneira selectiva.

Os professores estão entre os mais castigados: só este ano foram assassinados dez docentes».

«Nos últimos seis meses, 16 camponeses foram assassinados por lutarem pelo direito à terra».

O Prémio agora justamente atribuído à FNRPH constitui um incentivo à luta do povo hondurenho e um estímulo à solidariedade internacional com essa luta.

É, por isso, um prémio que veio por bem - e para gente de bem.

Fernando Samuel no Cravo de Abril

domingo, 7 de novembro de 2010

7 de Novembro de 1917 - "Revolução de Outubro" - Cinco perguntas e uma proposta

"O bolchevique" - Boris Mikhailovich Kustodiev (1920)

Como seria o mundo de hoje sem o empurrão da “Revolução de Outubro” (7 de Novembro pelo calendário Gregoriano), no sentido da liberdade e da justiça social?

Até onde teria chegado a barbárie da exploração, sem o fantástico impulso que a Revolução imprimiu às lutas dos trabalhadores e dos povos em todo o mundo, pela sua emancipação?

Como estaríamos hoje, sem o poderoso contributo da União Soviética para a derrota do Nazi-Fascismo?

Como estaria hoje o mundo se essa experiência do socialismo não tivesse sucumbido aos erros que não soube evitar, ou corrigir?

Perante o cenário mundial de exploração desenfreada e de impunidade dos mais variados crimes contra a justiça social, os direitos dos trabalhadore e dos povos e contra a própria Natureza, como estaremos todos daqui a alguns anos, se, entretanto, não fizermos crescer dentro de cada um de nós uma nova Revolução?

Façamo-lo!, mas desta vez, que seja uma Revolução mais avisada, mais prevenida, mais experiente, menos complacente!

sábado, 6 de novembro de 2010

Hoje foi assim...

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

ISTO ANDA TUDO LIGADO...

Duas notícias:

1 - «Quatro bancos privados (entre eles o BES) tiveram, no terceiro trimestre deste ano, lucros de 4, 1 milhões de euros por dia».

É a crise - que o primeiro-ministro não se cansa de dizer que « toca a todos».

E toca: só que de maneiras diferentes...

2 - Ricardo Salgado, presidente do BES, afirmou que «as medidas do Orçamento de Estado são duras, mas são para cumprir».

Se assim, lucra o que lucra, imagine-se o que será com as«medidas duras»!...

Crise, banca, lucros, mercados, união europeia, governo, ps, psd, cavaco, medidas duras, orçamento de estado... isto anda tudo ligado...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Hoje há Avante!

 DESTAQUES:

A força de um colectivo
O primeiro comício da candidatura de Francisco Lopes à Presidência da República, realizado no dia 29 na centenária Voz do Operário, em Lisboa, pela força e determinação ali demonstradas, provou ser esta a candidatura de um projecto e de um colectivo – aquele que levará a cabo uma campanha que se quer de massas, de esclarecimento e participação populares.
Portugal e a NATO

Submissão e resistência
Ao receber a cimeira da NATO em Lisboa, as autoridades portuguesas dão mais um passo na sua já longa história de submissão a esta estrutura militar dirigida pelos Estados Unidos da América. Mas o forte protesto que se fará sentir nas ruas, no próximo dia 20, na grande manifestação promovida pela Campanha «Paz sim! NATO não!», mostrará que cresce a resistência aos desígnios imperialistas.
Levantado do Chão
Hoje, às 18 horas, na Casa do Alentejo, em Lisboa, tem lugar uma sessão comemorativa dos 30 anos da primeira edição do romance Levantado do Chão de José Saramago. Intervêm Manuel Gusmão, Pilar del Rio e Jerónimo de Sousa.
Administração Pública
Protesto nacional
Os trabalhadores da Administração Pública respondem ao ataque do Governo com uma manifestação nacional marcada para o próximo sábado, às 15h, no Marquês de Pombal, em Lisboa.
PS e PSD de acordo

Orçamento das desigualdades
O que era de prever cumpriu-se. O Orçamento do Estado para 2011 foi aprovado. O Partido Comunista Português denuncia este mau Orçamento que agravará as desigualdades sociais.
8.ª Assembleia da Organização Regional de Aveiro

É preciso e é possível mais PCP
Encarando de frente as dificuldades da vida dos trabalhadores e das populações, bem como os obstáculos ao desenvolvimento da resistência, os comunistas do distrito de Aveiro reafirmaram a importância de não ceder ao conformismo e de reforçar a influência e a organização do Partido. O lema «Mais PCP, mais justiça social, mais desenvolvimento» ganhou expressão em decisões concretas da assembleia, realizada no sábado, em Espinho.
Tratado da UE
Atentado social
A anunciada revisão do Tratado de Lisboa visa impor novos constrangimentos financeiros aos estados.
Trabalhadores voltam ao protesto
Professores e funcionários realizam novas acções em defesa dos salários e dos direitos. Os camponeses também se somam às jornadas de luta.

VER ÍNDICE

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Notícias da austeridade (2): Os lucros dos que têm a pátria na barriga

No DN de hoje: «Em plena crise económica e financeira, os quatro maiores bancos privados portugueses lucraram até Setembro mais 53,4 milhões de euros do que em igual período do ano anterior.

Ou seja, a caixa registadora da banca marca lucros de 4,1 milhões de euros por dia, apesar das dificuldades de financiamento nos mercados externos.

No total, BES, BCP, BPI e Santander Totta obtiveram resultados líquidos no valor de 1122,2 milhões de euros, traduzindo um crescimento da ordem dos 5% face aos ganhos dos primeiros nove meses do ano passado. "

É claro que, como de costume, lá virão umas santas almas a perguntar ingenuamente «qual é o problema ?» e a declararem, inchados de contentamento, que «ficam muito felizes por haver empresas ou bancos que dão lucros porque isso é um bom sinal».

Mas, quanto a isso, só posso observar que não será ainda nesta vida que essa rapaziada perceberá a específica natureza da banca no conjunto da vida económica e muito menos que, se esta tem lucros gloriosos em época de crise, então isso só pode resultar de maiores dificuldades para os cidadãos e a economia real.

 
RESISTIR POR UM MUNDO MELHOR